top of page
  • Foto do escritorMarcio strzalkowski

Um Tiro para Andy Warhol


"Viver nesta sociedade significa, se tiver sorte, morrer de tédio; nada diz respeito às mulheres; então, àquelas dotadas de uma mente cívica, de sentido de responsabilidade e de busca por emoções, só resta uma possibilidade: derrubar o governo, eliminar o sistema monetário, instaurar a automatização completa e destruir o sexo masculino."Valerie Solanas - Primeiras linhas escritas no SCUM Manifesto


Quando comecei a escrever reviews machistas de filmes feitos para um publico masculino com muita testosterona, eu provei uma coisa muito simples: O comportamento machista respeita, protege e inclui as mulheres! Filmes machistas com Charles Bronson mostram a importância das mulheres na vida de um homem; Filmes machistas com Chuck Norris o mostram lutando (literalmente) para proteger as mulheres da violência e alguns dos filmes mais machistas do mundo tem espaço para heroínas! Caso tanto do filme Robocop - O Policial do Futuro mostrando a heroína Lewis e da série de filmes O Exterminador do Futuro com a heroína Sarah Connor!


Mas então fui procurar para saber o que um filme feminista tem a oferecer e me deparei com este filme aqui. A cinebiografia de ninguém menos que Valerie Solanas.


Um Tiro para Andy Warhol (I Shot Andy Warhol 1996)

Dirigido por Marry Harron Escrito por Jeremiah Newton, Diane Tucker, Daniel Minahan e Marry Harron

Não recomendado para menores de 18 anos


Valerie Solanas não teve uma vida fácil e talvez nós todos devêssemos levar em consideração isso.

Cresceu rebelde e relatava que sofreu abuso sexual do próprio pai. Se rebelou contra a mãe e foi morar com o avô que a expulsou de casa quando ela tinha 15 anos. Apesar disso ela conseguiu se formar em psicologia. Vivendo nas ruas, se prostituindo e vivendo com pessoas degeneradas. A história de Valerie Solanas se formando é praticamente uma história de superação. Isso até o momento em que escreveu sua primeira peça: Up your Ass(Enfia no cu). Uma grande merda!

Sim, uma mendiga que se formou em psicologia resolveu escrever ao mundo histórias chocantes de degradação humana. E seu texto chamado de SCUM Manifesto (Manifesto da Escoria), cheio de preconceito e ódio contra os homens é um dos textos mais venerados por feministas que afirmam lutar por igualdade!


O Filme mostra exatamente isso. Valerie Solanas vivendo uma vida de sarjeta, se prostituindo e relembrando parte de sua história enquanto faz recitações do SCUM Manifesto cheias de ódio aos homens.

O filme mostra então ela conhecendo Andy Warhol, um dos artistas plásticos mais conhecidos e reconhecidos no mundo. E lógico, como o filme é só sobre degradação mesmo: Andy está praticando o assédio sexual contra um assistente. "Vou te mostrar como se come um fiofó!"


Depois disso o filme mostra Valerie Solanas se prostituindo mais um pouco até que ela entrega a única cópia de seu manifesto para uma assistente de Andy Warhol e uma encenação de sua peça Up your Ass (Enfia no cu) em um bar. A qual eu assumo que é um ótimo trabalho dos atores e atrizes (Lily Taylor é uma das minhas atrizes favoritas). Mas a qualidade da peça é lá embaixo mesmo! Nem Andy Warhol quis saber de encenar a sua peça onde as pessoas conversam sobre comer um cagalhão!


"Apresentação dos Fundamentos e Programa de Ação da SCUM a Sociedade Para Acabar com os Homens. Livre das travas da conveniência e da gentileza da discrição, da opinião pública, dos moralistas, do respeito dos idiotas sempre baixos, sujos e vis... A SCUM se espalha, se espalha, se espalha. Andaram por todo o cais. por todas as docas e píers. O píer do pênis, o píer da boceta. é preciso muito sexo para ser anti-sexo. As SCUM já passaram por tudo isso. Estão prontas para outro show; Querem parar de rastejar embaixo das docas. Mover-se... subir... Emergir." Sim, o filme corta a toda hora para mostrar esses diálogos. O filme mostra Valerie Solanas recitando pedaços de seu manifesto sobre ódio e discriminação contra homens igual um documentário sobre Hitler o mostraria tentando justificar as suas ações de exterminar judeus e homossexuais. Um filme feminista. O filme começa a mostrar então o envolvimento de Valerie Solanas entrando em contato com Andy Warhol e assim conseguindo um espaço para fazer seus próprios filmes de curta metragem. Reunindo elenco, distribuindo ódio com discursos prontos em locais comuns e entrando em contato com visões conflitantes com o publico que rodeava Andy Warhol. Graças ao qual Valerie Solanos finalmente conseguiu imprimir inúmeros exemplares de seu SCUM Manifesto! Um dos pontos altos do filme é quando Valerie Solanas vai no programa de Alan Burke e é expulsa em pouco tempo. Dai sabem o que ela faz? Vai para a casa da amiga trans e lhe dá uma boa dose de homofobia! E então, para o final do filme vemos Valerie Solanos voltando o seu ódio contra Andy Warhol. O Homem que mais ajudou ela na vida! Ao final da vida de Valerie Solanas, podemos afirmar que ela fez dinheiro com o seu SCUM Manifesto, cumpriu pena leve na prisão por ser mulher e voltou a ameaçar outras pessoas. Inclusive Andy Warhol! Foi presa novamente e passou anos em tratamento psiquiátrico. Vindo a morrer em 1988. Como filme, é um bom filme se você gostar de obras que degradam o ser humano. Tem grandes atuações e uma boa produção. Mas como mensagem, chega a ser tão preconceituoso quando o Main Kampf de Adolf Hitler!

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page