top of page
  • Foto do escritorMarcio strzalkowski

O Garoto

Mais de um século de cinema falando do respeito dos homens pelas crianças!

Como vou falar de machismo, ideal de comportamento de macho, além de explicar o óbvio de que filmes machistas de verdade com nomes fortes como Chuck Norris, Charles Bronson e Clint Eastwood são justamente os que mais respeitam as mulheres. Isso é um fato presente em nossa cultura.

Mas e em relação a relação de homens cuidando, sendo responsáveis e adotando as crianças, a nossa cultura tem exemplos muito bons de um ideal machista onde homens aprendem a serem bons pais!


A Jornada de Chaplin

Nome mais do que merecido para um ramo de nossa cultura machista que descreve as agruras e aventuras de homens que de uma hora para outra se tornam pais. Seja no seio da família ou seja adotando uma criança. Charlie Chaplin criou e imortalizou a formula no cinema e na história da humanidade com a grande obra O Garoto (The Kid) em 1921!

De forma que todo bom comediante usou a mesma formula para fazer obras significantes. O Gordo e o Magro, Jerry Lewis, Os Três Patetas, Os Trapalhões e muitos outros grandes nomes até chegarmos ao clássico de 1990 Um Tira no Jardim de Infância com Arnold Schwarzenegger!

Se trata de uma jornada genuinamente machista baseada em amor e carinho pelas crianças!


A formula:

- Homem, as vezes avesso a vontade de ter família, encontra criança.

- Assim como na jornada do herói, o homem não quer ficar com a criança!

- A criança não tem ninguém neste mundo e o homem aceita ficar com ela.

- Homem sofre as comédias de criar a criança, aprende a ser responsável!

- Sofre os horrores de limpar fraldas!

- Homem cria laços de amor e carinho com a criança.

- Homem sofre genuinamente com a possibilidade de perder a criança.

- Ou perde a criança, ou fica com a criança. O ciclo se completa em tragédia ou fortuna.


Então, vamos ao review machista sobre este filme para entender mais sobre isso.


O Garoto (The Kid 1921)

Escrito, produzido, dirigido, estrelado e imortalizado por Charlie Chaplin!

“Um filme para ser assistido com um sorriso e, talvez, com uma lágrima."



O filme começa sério e dramático. Mostra o drama de uma mulher sem um nome que sai de um hospital de caridade com um bebe no colo, o nome da atriz é Edna Purviance e ela fez mais de 20 filmes com Charlie Chaplin. Seu único pecado foi ser mãe. A cena é entrecortada por uma imagem forte de Jesus carregando a sua cruz ao mesmo tempo que mostra a pobre mãe carregando a sua criança.

O pai da criança, um pintor sem dinheiro, tem a agrura de ver a foto da pobre mulher cair no fogo enquanto vende um quadro. Ele chega a resgatar a foto por um momento antes de dar uma última olhada e apenas devolver a foto ao fogo e ao esquecimento.

A pobre mãe, desesperada, decide em um momento de desespero, colocar a criança no carro de uma família rica com um bilhete implorando para que criem a criança com amor e carinho. Mas como a vida é uma caixinha de surpresa, bandidos violentos roubam o carro com a criança dentro! Eles levam o carro para longe, para um bairro extremamente pobre. E ao sair do carro, os bandidos escutam o choro da inocente criança. Um deles rapidamente puxa um revolver Colt calibre 38, entra no carro e pega o bebe. Por um momento ele até cogita atirar na criança antes do outro bandido simplesmente mandar largar a criança em um canto qualquer.


O passeio da manhã

A partir do momento onde somos apresentados ao personagem de Charlie Chaplin, o filme muda completamente de tom. Até a música muda completamente de tom. Sim, os filmes tinham trilha sonora que tinham que tocar sincronizados com os filmes no cinema! Falando nisso, a música também é obra de Charlie Chaplin.

Bom, seu personagem já começa bem no filme tendo que desviar dos vizinhos jogando lixo pela janela! Uma das piadas da época que precisam ser explicadas nos dias de hoje é o fato de que todas as roupas do vagabundo Carlitos são completamente esfarrapadas e fora do número do personagem. Algo que só um designer de moda notaria. Sendo uma previsão do futuro que os designers de moda seriam todos tão frescos no futuro quanto o eram no passado!


Depois do primeiro banho da manhã, vindo completamente de lixo, o vagabundo diz uma de suas primeiras falas no cinema. Algo como “Akward Ass”. Ou cuzão desajeitado! Uma fala que deve ser lembrada na história da humanidade ao se descrever quem joga lixo pela janela encima das outras pessoas. Coisa que apaga o charuto velho de Carlitos, mas não criemos pânico! Carlitos tem uma boa coleção de cigarros e charutos já fumados esperando que ele os queira fumar no futuro!

É nesse momento que ele escuta um choro de criança! E quem chora feito um neném? Será um gato, um cachorro ou um avião? Não, é um neném abandonado no lixo!

A sequencia a seguinte mostra o vagabundo literalmente tentando se livrar da criança!

A primeira coisa que ele faz é procurar saber quem perdeu a criança. E ao ver uma senhora passeando com carrinho de bebê por perto, não perde tempo: “Me perdoe senhora, deixou cair uma coisa!”

Óbvio que a senhora não tem nada a ver com aquilo e lhe diz todos os palavrões que já existiam em 1921! Depois ele até tenta deixar a criança no lugar de onde achou, mas a policia o previne de fazer tal coisa! O vagabundo tenta então entregar a criança para um idoso, fingir que vai amarrar o sapato e dá no pé! E lógico que o idoso anda pela rua alguns metros só para achar o mesmo carrinho de bebê da mesma senhora e deixar a criança lá!


E lógico que o Vagabundo passa na frente do carrinho como se nada tivesse acontecido. E lógico que a mesma senhora agora enche ele de porrada com o guarda chuva! Na base da porrada e com a ajuda do guarda, o vagabundo é obrigado a ficar com o neném! Se lascou! O vagabundo chega até a abrir um bueiro onde caberia uma criança, e cabia, só para mudar de ideia!

Por fim, Carlitos lê a carta que vem junto com a criança. “Por favor, ame e cuide desta criança órfã”. Por fim, o vagabundo que seria a última pessoa a ter que criar uma criança, aceita o destino. Se lascou bonito!


O seu nome é John

A partir daqui, temos uma cena encantadora onde Charlie Chaplin “atua” cuidando da criança, ,interpretada pelo bebê Hathaway. Temos cenas onde o Carlitos precisa descobrir o que um bebê come. Ele tenta coisas que todo mundo gostava como uma salsicha velha ou balançar um pedaço de churrasco como se fosse um chocalho. Outra cena, mostra como o Carlitos improvisou um balaço para deixar a criança ao mesmo tempo onde também improvisou uma chaleira como mamadeira.

E o improviso não fica ai, ele também cortou pedaços da toalha de mesa para fazer fraldas super limpinhas e cortou parte da cadeira para improvisar uma privada! Pois a necessidade é mãe da criatividade!

Na cena seguinte, cinco anos se passaram e o pequeno bebê é agora interpretado por Jackie Coogan. Que um dia interpretaria ninguém menos que o Tio Chico de A Família Addams! Sim, de todas as loucuras da Família Addams, a história do cinema deixa claro que o Tio Fester foi criado pelo Charlie Chaplin!

Que aprendeu a cuidar e ser responsável pelo pequeno John.

E com um trabalho honesto também! Carlitos agora é vidraceiro! Consertando especialmente as vidraças que o moleque quebra na base da pedrada! E se as cenas do baixinho de cinco anos correndo depois de quebrar as vidraças já são engraçadas e fofas, a cena seguinte onde o policial pega ele na tampinha é mais engraçada ainda! O Moleque consegue imitar todos os trejeitos do Carlitos! Trambique que não escapa do policial interpretado por Tom Wilson.

Naquele dia, em seu trabalho número 13, Carlitos deve discutir sobre seu serviço com uma dona de casa que a primeira vista não gosta de assédio sexual, mas que aos poucos vai gostanto do xaveco de vidraceiro.

“Trabalho de vidraceiro e sua beleza é transparente, sua linda!”

“Você o ovo que falta na minha marmita, sua linda!”

Claro que a mulher vai deslizando suave pelas cantadas de vidraceiro até aparecer o seu marido, que além de corno ainda sai correndo atrás do nosso vagabundo! E é hora de correr!


Caridade - Para alguns é um dever, para outros é uma alegria

O filme mostra que a mãe do menino consegue se tornar uma grande atriz do teatro que apesar de viver agora em uma situação financeira boa, não esqueceu em nenhum momento o filho perdido. Ao ponto onde podemos ver a mãe passeando pelas ruas pobres distribuindo esmolas para as crianças na esperança de um dia encontrar de novo o seu filho perdido.

E ela faz isso exatamente na porta da casa do vagabundo sem saber que o filho está lá dentro sendo cuidado com amor e carinho! Tudo bem que é amor, carinho e trambicagem! Mas é trambicagem de coração. Uma das cenas que mais mostram como coração de mãe é grande é que por puro carinho, outra mãe deixa que ela cuide de seu bebê e isso a faz lembrar de seu próprio filho. Que nunca será esquecido.

E como a arte imita a vida, nada melhor do que a arte imitar a comédia da vida! O Pequeno garoto John sai para fora de casa, se senta ao lado da moça e nenhum dos dois desconfia de que são mãe e filho!


Rinha de crianças

Uma das sequencias mais engraçadas do filme é quando o menino decide brigar com outro garoto no meio da rua! Claro que todo mundo na rua parou para olhar. E quando Carlitos viu a cena, decidiu intervir. Mas isso só durou até ver que o seu menino era bom de briga! Dai começou a torcer!

A Rinha de crianças é algo que iria inspirar no futuro obras como Operação Dragão, O Grande Dragão Branco e até o surgimento de Mortal Kombat!

Mas até lá, temos Carlitos ensinando o seu pimpolho a dar soco na cara, porrada no estômago e chute na bunda! O que não ajuda muito ao percebermos que o menino mais velho que apanhou tinha um irmão mais velho para entrar na briga. E sim, mais velho de ser um homem adulto e fortão!

E ele só tem uma coisa a dizer, se o baixinho do Chaplin bater no baixinho do fortão, então o fortão vai bater no Chaplin. E claro que o Carlito até tenta trapacear pra fazer o baixinho dele parar de bater no outro menino!

E agora temos o Carlito precisando fugir de uma surra vinda do cara que bate até em guarda! Carlitos só é salvo pois a mãe do seu menino intervém. Claro que a sequencia é uma delicia só e eu não preciso contar detalhes aqui. Vão assistir este clássico do cinema!


O menino adoece

A visita do médico, além de ser uma cena cômica entre o Carlito e o doutor interpretado por Jules Hanft. Também mostra a precariedade da relação entre Carlitos e o menino. Já que quando perguntado sobre ser o pai da criança, Carlitos só consegue responder “bem, praticamente”.

Carlito, por pura ignorância, não sabia que tinha que avisar as autoridades sobre o menino. Só tendo a carta que foi deixada com o menino quando foi encontrado. E isso faz com que o médico chame as autoridades para fazer o resgate da criança para algum orfanato.


Cuidado apropriado e atenção

Com quatro dias com o menino de cama, funcionários do asilo e orfanato chegam à casa de Carlitos. E o jeito com que tratam tanto Carlitos quando ao menino é simplesmente o mais errado possível. Existe truculência e violência! Eles nem mesmo se apresentam como autoridades. O que faz que a cena seja ainda mais assustadora, se parar para pensar que nem Carlitos e nem o menino sabem o que acontecerá!


A cena é genuinamente tocante e triste enquanto podemos ver o menino chorando desesperado na caçamba do caminhão e sendo agredido pelos funcionários!


Carlitos então deve sair pulando pelos telhados para tentar recuperar o seu menino. O verdadeiro resgate do filme. Fugir da policia, conseguir pular no caminhonete e sair na porrada com os funcionários do orfanato para recuperar o menino. Um dos grandes momentos inesquecíveis do cinema.


A verdade

Mesmo sem saber, a mão do menino vai na casa de Carlitos para ver como estava o menino. Lá, ela encontra o médico, que está mais brabo que cachorro pinscher sem as tremedeiras, e o médico conta tudo! Carlito não era o verdadeiro pai do garoto! O menino foi abandonado com um bilhete com letra e lagrimas da própria mãe! Que é ela mesma!

E agora só falta encontrar o vagabundo e o garoto.


O Abrigo

Carlito e o menino vão para um abrigo de vagabundos que custa um centavo de pila para poder dormir. Carlito está com dificuldade de encontrar uma única moeda de um centavo. Mas depois de encontrar, ganha a ajuda improvisada de outro vagabundo que mesmo fingindo puxar ronco, ainda tem a mão sonambula que rouba as pessoas durante o sono! E encontrando outro centavo de pila que o Carlitos nem sabia que ainda tinha!

Suficiente para o garoto se for descoberto!

E claro que a essa hora já existe uma recompensa de mil pilas pelo guri! O que leva o dono do abrigo a levar o menino na calada da noite para a delegacia. Deixando Carlitos desesperado por encontrar o menino.

Falando no garoto, ele é encontrado na delegacia pela sua mãe, que finalmente pode corrigir o erro do passado conversando com seu filho.


Sonhos com o paraíso

Carlito sonha sentado na porta de casa. E no sonho, podemos ver que a sua visão do paraiso é simplesmente a sua rua com pessoas vestidas de branco e lindas asas de anjo. E o garoto está lá! Em sua visão do paraíso ele consegue ver o seu menino.

Esta é a parte mais elaborada do filme. Mostrando o incrível efeito especial de cachorro voador! Efeitos especiais mais realistas que muita tralha de hoje em dia, mais de cem anos depois!

Lógico, sendo o sonho uma visão intima e pessoal do paraíso, temos o vagabundo fazendo as suas tripulias. Os capetinhas invadem o paraíso aproveitando que o porteiro está dormindo e aproveitam para sacanear as pessoas lá dentro. E nem pagaram pra entrar!

Lógico que um capetinha já chega nos ouvidos de uma moça para soprar ideias erradas em seu ouvido. Para ela seduzir o vagabundo e botar um bom par de chifres em seu namorado fortão. A cena vai da pura inocência até a indecência quando a moça mostra a sua canela para o vagabundo. Uma canela? Mas isso é pornografia!

O que leva o nosso vagabundo a cair na tentação de seu esporte favorito, mexer com mulher casada! E ela mostrou a canela de novo! Onde esse mundo vai parar!

Por sorte, ou azar, o namorado dela chega na hora para evitar a própria cornitue! Mas estando no paraíso, não tem motivos para sentir ciúmes, ódio ou fúria assassina. Ele até cumprimenta o vagabundo e leva o chifre numa boa. Tudo isso até o capeta do ciúmes chega no ouvido do namorado. Dai o bicho pega!

A porrada canta feio, as penas saem voando e até a policia do paraíso tem que intervir! O negocio é tão feio que o Carlitos precisa sair voando em um efeito especial tão perfeito que bota o Matrix Revolutions inteiro no chinelo!

Mas as suas asas de anjo não são pareo para a arma secreta do policial do paraíso. Uma arma! São dois pipoco e o vagabundo tá no chão. Para desespero do garoto.


O Vagabundo acorda pela mão do policial do bairro. Que o leva até a casa da mãe do garoto para um bom reencontro.


Vejam bem

Este grande clássico do cinema, dirigido pelo único comediante que teve a coragem de satirizar ninguém menos que o lunático do Hitler, também criou a formula da comédia baseada em homens aprendendo a serem pais. Está tudo lá, inclusive os três finais possíveis em filmes assim: No primeiro final, existe a tragédia de ser separado da criança. No segundo final, menos trágico, a separação ocorre quando a criança encontra a verdadeira família. E no último final, o homem termina junto a criança e completando a adoção.


Em 2021, a Jornada de Chaplin completará 100 anos. E são centenas filmes com a mesma jornada. Um ideal machista de homens aprendendo a amar e cuidar das crianças!


Alguns filmes com a mesma temática e altamente recomendados!


Por Marcio Strzalkowski

Força e Honra!











8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page